Noticias Brasil

Pelo menos 10 pessoas morrem em ataque de drone a escola de Gaza

[ad_1]

Pelo menos 10 pessoas, incluindo crianças, morreram em Gaza neste sábado (25), depois que um ataque de drone atingiu a escola onde estavam abrigados, segundo profissionais de saúde locais.

A escola Al-Nazla em Saftawy, nos arredores de Jabalia, estava sendo usada como abrigo temporário por pessoas que fugiam da violência quando ocorreu o ataque.

Uma testemunha, Saleh Al-Aswad, de Jabalia, disse à CNN que seu genro está sendo tratado pelos ferimentos sofridos durante o ataque.

Ele acrescentou que um “homem que fazia pão para os seus filhos, pensando que este era um espaço seguro” foi morto juntamente com a sua filha, Afnan, e o seu filho, Mohamed.

Imagens da CNN mostram profissionais de saúde da clínica Sheikh Radwan cuidando de corpos envoltos em lençóis brancos.

Um profissional de saúde mostra o corpo do falecido filho Mohamed com ferimentos no rosto.

A CNN entrou em contato com os militares israelenses, mas ainda não recebeu resposta.

Sistema de saúde “de joelhos”

As notícias do ataque chegam num momento em que a situação humanitária em Gaza continua se deteriorando.

Numa declaração na manhã de sábado, o Escritório das Nações Unidas para a Coordenação de Assuntos Humanitários (OCHA) alertou que o sistema de saúde de Gaza “está de joelhos” à medida que o acesso a hospitais e instalações diminui ainda mais devido à escassez de abastecimento e aos ataques israelenses.

Na sexta-feira (24), 15 dos 36 hospitais em Gaza estavam apenas parcialmente funcionais, 21 hospitais estavam fora de serviço e havia seis hospitais de campanha funcionais, afirma o relatório do OCHA, citando a OMS. Os hospitais existentes estão operando com mais de quatro vezes a sua capacidade de leitos, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza, disse a agência.

“A escassez de combustível, suprimentos médicos e equipamentos está ameaçando a capacidade de funcionamento das restantes instalações de saúde”, acrescentou.

A situação tornou-se tão terrível que o diretor do hospital do Kuwait em Rafah postou um apelo em um vídeo no WhatsApp, para “soar o alarme à OMS para manter este hospital operacional e garantir que não feche, fornecendo-lhe o combustível necessário.”

Suhaib al-Homs diz que o Hospital do Kuwait é agora o único hospital em funcionamento no centro de Rafah que os feridos do público podem chegar “24 horas por dia”, já que os hospitais de campanha vizinhos são de difícil acesso sem uma ambulância.

“Estamos alertando para a crescente crise de saúde à medida que os hospitais estão fora de serviço e para o colapso do setor da saúde”, diz ele.

“Continuaremos trabalhando e as equipes médicas continuarão fazendo seu trabalho. O que está acontecendo agora nos torna mais firmes e inflexíveis no cumprimento do nosso dever de servir o nosso povo.”

A agência humanitária da ONU alertou que algumas pessoas deslocadas no centro de Gaza sobrevivem agora com 3% do padrão mínimo para as necessidades diárias de água e que as doenças transmissíveis, incluindo a diarreia e a suspeita de hepatite A, continuam aumentando, com crianças com menos de cinco anos sendo afetadas.

No início desta semana, o chefe da OMS pediu a Israel para aliviar todas as restrições à entrada de ajuda na Faixa de Gaza, dizendo que a principal rota para a ajuda médica vital entrar em Gaza vinda do Egito tinha sido cortada no meio de uma operação militar israelense em curso na cidade de Rafah.

[ad_2]

Source link

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo